Design experiencial no turismo: uma revisão integrativa sobre o tema

Publicado em: RITUR – Revista Iberoamericana de Turismo, Penedo, Volume 7, Número 1, Jan./Abr. 2017

Autores: Daniela Estaregue, Giselle Schmidt Alves Díaz Merino, Eugenio Andrés Díaz Merino, Marilia Matos Gonçalves

Resumo: O movimento turístico tem experimentado um crescimento nos últimos 50 anos, apoiando-se em muitos fatores inter-relacionados que incluem avanços tecnológicos e várias formas de intercambio global acelerado em virtude da liberalização do comercio mundial (PAGE, 2011). Este desenvolvimento gera novos padrões comportamentais e,
para acompanhar tais mudanças, diversos setores já estão se adaptando para formatar e oferecer produtos e serviços compatíveis que satisfaçam às novas necessidades. Inclusive na área do turismo através da “Economia da Experiência” onde o valor econômico não é percebido apenas na conquista ou fidelização do cliente, mas na valorização de um mesmo produto por conta de sua condição especial, assim como na capacidade de eternizá-lo (PINE e GILMORE, 1999). Esta nova abordagem enfatiza a experiência, tendo como essência a criatividade e autenticidade para a formatação de produtos e serviços que proporcionem sensações únicas e inesquecíveis, que contem histórias e trabalhem com sonhos. Logo, é preciso que sejam implantadas estratégias de divulgação, além de investimentos e iniciativas para desenvolver e criar um diferencial que chame a atenção dos turistas (NASCIMENTO; MAIA; DIAS, 2012). Nesse sentido, o presente artigo objetiva apresentar as informações obtidas em uma revisão sistemática integrativa da literatura sobre os termos “gestão de design”, “turismo experiencial”, com o intuito de mapear as publicações científicas atuais sobre a temática e verificar como se estabelece a relação da gestão de design e experiência turística. Com a revisão sistemática foi possível verificar que os trabalhos não abordam o tema Gestão de Design de maneira explícita, mas identificou-se pontos onde as ações de design podem contribuir com o turismo, o que mostra um espaço para o crescimento da atuação da Gestão de Design na indústria turística

Palavras-chave: Design, Gestão de Design, Turismo Experiencial, Revisão Integrativa.

Downloaddx.doi.org/10.2436/20.8070.01.47

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *